Anos 80-00 – Mário de Carvalho

Nasceu em 1944, em Lisboa. Romancista, contista, dramaturgo e argumentista.

Mário de Carvalho nasceu numa família oriunda do sul de Portugal. A reminiscência do Alentejo está presente em vários passos da sua obra, mas Lisboa é o lugar privilegiado dos seus textos. A sua prisão pela PIDE, polícia política salazarista, foi um choque duríssimo que o levaria desde muito cedo à resistência contra o Regime.

Já no Liceu Camões foi aluno de Mário Dionísio e colega de turma de João Aguiar e Eduardo Prado Coelho.

A partir das greves estudantis de 1961-1962, desenvolveu actividade nas associações académicas e cineclubes, até à sua licenciatura pela Faculdade de Direito de Lisboa.

Em 1971, devido à resistência clandestina antifascista (Partido Comunista Português) foi preso durante a instrução militar. Submetido a onze dias de privação do sono, acabou por cumprir catorze meses de prisão nas cadeias políticas de Caxias e Peniche.

Saiu ilegalmente de Portugal em 1973 e exilou-se em Lund, na Suécia, onde obteve asilo político já nas vésperas da Revolução de Abril.

Regressado a Portugal, após um agitado envolvimento político, dedicou-se a uma advocacia de causas, nomeadamente sindicais.

Integrou a direcção da Associação Portuguesa de Escritores, durante as presidências de David Mourão-Ferreira (1984-1986) e Óscar Lopes (1986-88).

Foi professor convidado da Escola Superior de Teatro e Cinema e da Escola Superior de Comunicação Social durante vários anos. Orientou pós-graduações em Escrita de Teatro na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e várias oficinas de Escrita de Ficção. É pai das escritoras Rita Taborda Duarte e Ana Margarida de Carvalho.

Em 1981 publicou «Contos da Sétima Esfera». Seguiram-se os «Casos do Beco das Sardinheiras», «O Livro Grande de Tebas», «Navio e Mariana» e «A Inaudita Guerra da Avenida Gago Coutinho».

«Os Alferes» apresenta de uma forma crua e desapiedada, não isenta de ironia, os dilemas dos jovens oficiais milicianos no teatro de uma guerra em que não acreditavam. Um dos contos foi adaptado duas vezes para Cinema e uma para Teatro.

«A Paixão do Conde de Fróis», logo traduzido para a prestigiada editora Gallimard, decorre no século XVIII, durante a Guerra dos Sete Anos. O seu livro mais reeditado, traduzido e premiado veio a ser o romance Um Deus Passeando pela Brisa da Tarde que se transformou num clássico do género, embora o autor, numa epígrafe provocatória, tenha garantido não se tratar de um romance histórico. Na sequência do «Prémio Pégaso de Literatura», foi traduzido para Inglês, Francês, Alemão, Italiano e outras línguas, em capa dura e edições de bolso, com excelentes recensões.

Em 1995 surge o romance satírico «Era Bom Que Trocássemos Umas Ideias sobre o Assunto» inaugurando o género a que o autor chamou «cronovelema» e que associa o humor à crítica aguda do quotidiano. O livro obteve um bom acolhimento na Alemanha e em França.

Mário de Carvalho tem, actualmente, 21 livros publicados no estrangeiro, em 11 países, incluindo o Brasil.

A sua escrita é extremamente versátil e é impossível incluí-lo em qualquer escola ou corrente literária. Desde a crónica irónica do quotidiano à toada mais sombria, tem praticado uma grande diversidade de géneros, percorrendo vários épocas e ecoando alguns grandes clássicos da literatura portuguesa e universal.

Todas as suas peças de teatro foram levadas à cena, em Portugal ou no estrangeiro. Trabalhou com os realizadores Luís Filipe Costa, José Fonseca e Costa, Solveig Nordlung, José Carlos Oliveira, Gonçalo Galvão Teles e José Barahona.

A 9 de Junho de 2014 foi feito Grande-Oficial da Ordem Militar de Sant’Iago da Espada.


Lúcio Valério Quíncio é o magistrado de Tarcisis, cidade romana da Lusitânia no século II d. C. Como dirigente máximo, cabe-lhe tomar todas as decisões, enquanto tumultuosos acontecimentos conduzem a pequena cidade ao descontentamento geral. No exterior, notícias de uma invasão bárbara iminente, proveniente do Norte de África, obrigam-no a drásticas medidas, enquanto no interior das muralhas uma nova seita, a Congregação do Peixe, põe em causa os valores da romanidade, evocando os ensinamentos de um obscuro crucificado. No plano íntimo, a paixão devastadora por uma mulher, Iunia, perturba-o e confunde-o, mas sem o afastar do cumprimento do dever.

Neste romance em que a ficção se sobrepõe à História, traduzido em nove línguas e galardoado com o «Prémio de Romance e Novela da APE», o« Prémio Fernando Namora», o «Prémio Pégaso de Literatura» e o «Prémio Literário Giuseppe Acerbi», Mário de Carvalho reconstitui as características culturais, políticas e quotidianas do Império Romano, sem nunca esquecer a «intercessão de certo deus que, nos primórdios, ao que parece, passeava num jardim pela brisa da tarde…».

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.