Before…

Prefácio

 

Richard Linklater decidiu completar a trilogia. Na altura, rejeitou a ideia de um quarto filme, pelo menos nos nove anos seguintes (entretanto decorreram sete).

Falo do realizador de Before Sunrise (1995) e Before Sunset (2004) que reapareceu em 2013 com Before Midnight. O casal retratado exibe uns vividos e sofridos quarenta anos e começa a questionar as certezas ingénuas dos vinte (1995) e esperançadas dos trinta (2004).

Teríamos outro pacote de lugares comuns, característico das mais insípidas comédias românticas, se não fosse pelo realismo e engenho concedidos aos diálogos e situações nos diversos filmes. As premissas são simples, minimalistas até. Os resultados são magníficos.


 

No primeiro filme, um par de jovens na casa dos 25 anos encontra-se por acaso num comboio, em viagem pela Europa. É o tempo de ser imortal, de mudar o mundo, de ser poeta, de encontrar o amor idealizado, de reconverter o Universo numa concha que fechamos na mão. Tudo numa noite. No dia seguinte, preparam a desilusão que julgam impossível e obviamente separam-se.


 

No segundo filme, ambos regressam de uma ausência de nove anos, reencontrando-se por mero acaso em Paris. Com eles trazem a aparente tranquilidade dos 30, que esconde a ebulição mal amordaçada. Conseguem arrancar ao Tempo uma tarde para alinhar os percursos. Fazem as pazes com o afastamento a que se sujeitaram, redescobrem os sonhos perdidos, falam das amargas realidades. Balançam entre a esperança de que a vida não lhes tenha fugido e a prudência de quem já carrega peso a mais para flutuar numa nuvem. Talvez agora consigam saborear o instante.


 

Por fim, no terceiro filme, é-nos apresentada uma das duas soluções possíveis. Podiam ter voltado a separar-se, mas vemos que apostaram na união. Com essa aposta, chegaram as cicatrizes de mais nove anos, atirando as personagens para depois dos 40. Ainda existem fantasmas da vida anterior (filho dele) e adicionaram-se novos (par de filhas em comum). O que lhes resta? A certeza de que à beleza tocante de um ocaso surge a escuridão total? Uma dolorosa viagem pelos passados perdidos, em busca de um elixir da juventude que os abandonou? O que há depois da esperança?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.