Eça no Bairro Latino


 

Os espíritos sérios de Paris, e mesmo os fúteis, têm nestes últimos tempos mostrado – e talvez sentido – uma preocupação ansiosa acerca da «mocidade das escolas».

É deste nome colectivo, marcando classe e casta, que se revestem os dois ou três mil rapazes, ruidosos e desalinhados que, no Bairro Latino, no país da boémia, frequentam as escolas (e sobretudo as cervejarias). Não os acuso desta frequentação mais especialmente festiva, porque desde Descartes e Espinosa a cerveja foi sempre uma companheira e uma inspiradora da filosofia. Apenas noto, e como um mérito dos seus anos alegres, que se eles dedicam a sua atenção ao livro, votam o seu entusiasmo ao bock – e há assim, em todos os seus actos e palavras, além de muito raciocínio, muita cerveja. Por cerveja eu entendo o impulso e turbulência do sangue quente – e aquecido. Em todo o caso, se alguns ficam regaladamente nos bancos da cervejaria, quando se trata dos trabalhos que a escola impõe – todos, sem que um único deserte, se reclamam da escola e dos seus bancos, desde que se trate dos privilégios que ela lhes confere como seus filhos espirituais.

 

Notas Contemporâneas

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.